Análise: River City Girls

Embarque nessa aventura com Kyoko e Misako!

Heya galera! Hoje lhes trago a análise de River City Girls, um game supervisionado pela Arc System Works e desenvolvido pela WayForward, que foi quem nos forneceu a chave do game para análise no Nintendo Switch.

Conhecido no Japão como Kunio-Kun, a série está presente nos consoles desde 1989, chegando agora para Switch, PS4, Xbox One e PC, estrelando duas protagonistas femininas na série.

Here we go!

É hora de sair às ruas!

Kyoko e Misako são duas alunas do ensino médio, e estão na classe quando seus namorados Kunio e Riki (River City Ransom) são sequestrados. Logo, elas devem explorar River City para tentar descobrir mais sobre o que aconteceu, encontrar pistas, e dar porrada!

Gameplay

River City Girls é um beat-’em-up, onde você possui inicialmente um ataque rápido e ataque forte, que consiste em soco, chute, e um golpe onde você agarra o inimigo e joga-o no chão. Devemos sair as ruas e ir para a pancadaria, por isso o jogo é conhecido como ” briga de rua”, quanto mais inimigos derrotar, mais experiência é adquirida e assim subimos de nível.

O jogo usa um sistema bastante simples de experiência no estilo RPG, no qual derrotar inimigos e completar certas tarefas o premiará com XP. Cada vez que você sobe de nível, recebe um novo movimento. Além disso, o jogo possui NPC’s, onde podemos comprar itens para preencher a barra de vida, stamina, entre outros.

Podemos pegar os itens do cenário para acertar os inimigos, o que deixa o jogo muito mais legal. A diversão é garantida também no modo multiplayer.

Gráficos

Com gráficos no estilo 16-bits, o jogo tem uma ambientação incrível, cheio de cores vibrantes e com personagens muito bem feitos, desde as principais até os inimigos que lutamos nas ruas. O itens são muito bem feitos, como quando pegamos um banco para jogar, podemos perceber seus detalhes. Nas cutscenes o game nos traz um gráfico no estilo mangá, para contar sua história.

Sons

Com uma trilha sonora pop-synth bem animada, para combinar com o estilo pancadaria do jogo, e os sons de cada soco, chute, e vozes de personagens, que são muito bem feitos, todos os sons do game são incríveis.

É difícil o jogo que traga trilhas sonoras cantadas, e River City Girls fez isso muito bem!

Veredito

Eu não jogava algo do tipo desde Scott Pilgrim vs The World do PlayStation 3, a ideia de andar por todo o cenário, pegar qualquer item e bater em quem vier pela frente, fez com que eu me divertisse muito. E o jogo ainda traz como protagonistas personagens femininas.

Podemos criar vários combos de golpes, com mecânicas bem implementadas, ligar para uma lista de contatos que virão nos ajudar caso estejamos muitos encrencados numa luta, entre outras coisas.

A ideia de contar a história como se fossem páginas de mangá, e logo após introduzir o jogador num mundo 16-bits, foi genial. A WayFoward é uma ótima desenvolvedora, principalmente em jogos 2D, não é atoa que Shantae é um sucesso.

River City Girls vale muito a pena, apesar de não trazer muitas horas de jogatina, porém após finalizar a história, novos personagens são liberados, e podemos fazer outras missões.

3 thoughts on “Análise: River City Girls

  1. Me interessei bastante pelo jogo depois dessa análise, ainda mais que não o conhecia. Vou procurar para jogar. Valeu mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *